Cl√°udio Cordovil

ūü§ĚLobby ‘astroturf’: t√°tica oculta que subverte a democraciaūü§Ě


O que é astroturfing?

O termo astroturfing deriva de AstroTurf, uma marca de grama sintética projetada para dar a aparência de um gramado natural. É um trocadilho com a palavra da língua inglesa “grassroots“, que, em português, é traduzida literalmente como “raízes da grama” e que significa movimentos espontâneos de uma comunidade. A implicação por trás do uso do termo astroturfing é de que não existem movimentos grassroots “verdadeiros” ou “naturais”, mas sim de apoio “falso” ou “artificial”, ainda que alguns de seus praticantes defendam a sua prática

Uma auto-denominada ‘campanha autêntica’ (grassroots) intitulada Aliança Salve Nossas Espécies (SOSA) materializou-se em 2004.

A despeito do motto ambientalmente consciente, SOSA revelou-se não ser nem uma cruzada autêntica (grassroots) nem um grupo preocupado em proteger animais ameaçados. De fato, SOSA era uma coalizão antiambiental de organizações com interesses escusos em enfraquecer a Lei de Espécies Ameaçadas .

Graças à imagem pública enganosa de SOSA como um grupo de cidadãos preocupados, esta “aliança” é um arquétipo de uma típica campanha astroturf.

Como sugere o termo “astroturf”, campanhas como essa são esforços grassroots falsos que suscitam sérios problemas éticos. Passados 18 anos deste caso, as campanhas astroturf ainda infestam a paisagem do advocacy.


Definindo o lobby astroturf

As campanhas astroturf podem ser geralmente definidas como “falsas organizações que se passam por genuínas (grasroots), usualmente patrocinadas por grandes corporações ou outros financiadores com fins lucrativos ou politicamente motivados“.

Campanhas desta natureza são deflagradas sem apoio inicial dos representados, recrutam advocates para engajar-se em lobbying grassroots, e operam sem transparência total. As campanhas de lobby astroturf prosperam com a mesma manipulação que alimenta os bots do Twitter e contas falsas de mídias sociais.

Citando pesquisadores envolvidos no Projeto de Propaganda de Pesquisa Computacional, a “ilusão de suporte online pode realmente criar suporte real”. Essencialmente, ao assumir falsas identidades supostamente autênticas, as campanhas astroturf promovem o apoio genuíno dos representados através de um véu de engodo.

Quem patrocina as campanhas de astroturf?

Campanhas grassroot fraudulentas podem emanar de uma variedade de patrocinadores. Corporações ou outros grupos de interesses especiais financiam o esforço de lobby, mas agências de relações públicas e firmas de consultoria são freqüentemente o cérebro por trás da produção dessas campanhas.

O lobby astroturf é uma tática ilegal nos EUA e eticamente duvidosa que tem sido usada para influenciar políticas públicas por décadas. No Brasil não é diferente, mas a lei não o proíbe

Características de uma campanha astroturf

Embora todas as campanhas astroturf compartilhem propriedades peculiares, essas campanhas podem diferir na execução tática e na origem, tornando dificil uma definição geral para elas.

Por uma questão de clareza, a lista a seguir descreve as principais características que distinguem as campanhas astroturf das autênticas campanhas grassroot/advocacy:

  • Bem financiadas desde o início com pouco apoio público visível
  • Campanhas com nomes genéricos ou “populistas” (Cidadãos por X, Salvem o X, Famílias por X, etc.)
  • Campanhas de e-mail coordenadas enviadas e derivadas de escritórios de congressistas não verificados ou sem o consentimento de um congressista
  • Sites centrados em campanhas visivelmente tendenciosas
  • Linguagem inflamada para apoiar reivindicações
  • Sites de campanha que pretendem educar os espectadores, ‘desmistificando os mitos da indústria’
  • As autoproclamadas organizações grassroots cuja história de origem é vaga ou não mencionada

As implicações éticas do lobby astroturf

Além de ilegal, o lobby astroturf é uma tática eticamente duvidosa que tem sido usada para influenciar políticas públicas por décadas.

Facilitar ações grassroot falsas é inerentemente problemático por vários motivos.

Em primeiro lugar, o astroturfing desorienta os cidadãos e os explora como peões em um tabuleiro político, ironicamente colocando interesses especiais muito bem remunerados acima dos interesses dos representados e grupos de advocacy de boa-fé.

Em segundo lugar, as campanhas fraudulentas ameaçam a percepção de legitimidade das campanhas de advocacy genuínas. Os legisladores são menos propensos a incorporar o feedback de suas bases eleitorais nas decisões políticas, se seus gabinetes forem constantemente inundados com comunicações astroturf.

Em uma era de “notícias falsas” danosas e campanhas online de desinformação, é especialmente importante que a comunidade de advocacy se recuse a participar de táticas desonestas que tiram vantagem do sistema político.

Engajar-se em estratégias problemáticas prejudica a integridade de toda a categoria dos profissionais de advocacy, ao mesmo tempo em que engana tanto os cidadãos, quanto os seus representantes no legislativo.

Neste ambiente político desafiador, há uma pressão crescente sobre os profissionais de advocacy e lobby para garantir que as iniciativas grassroots sejam autênticas e transparentes.

Os profissionais de advocacy e organizações que buscam influenciar as políticas compartilham a responsabilidade de facilitar campanhas verdadeiras que educam os cidadãos com fatos.

Diretrizes para praticantes de advocacy

Embora existam diferenças claras entre as campanhas astroturf e as genuínas (grassroot), elas também compartilham qualidades.

Infelizmente, esses pontos em comum não apenas dificultam a identificação de uma campanha astroturf, mas também criam uma área nebulosa para profissionais terceirizados encarregados de desenvolver uma campanha de advocacy para um cliente.

Construir apoio grassroot desde o início pode levar à integração desavisada de táticas de astroturf.

Os itens a seguir são orientações para profissionais no espaço do advocacy para evitar técnicas de astroturf:

  • A transparência é fundamental. Se uma campanha for produto de uma coalizão de organizações do setor, os nomes de todos os patrocinadores e parceiros que apoiam a campanha devem ser facilmente acessíveis
  • As mensagens e o conteúdo da campanha devem ser factuais, justos e confiáveis. O objetivo de uma campanha de advocacy legítima deve ser educar os potenciais ​​apoiadores e motivá-los a participar como cidadãos informados
  • Uma coalizão criada com o propósito de um único objetivo de advocacy deve receber um nome consistente com sua missão (não conferindo um nome ambíguo ou enganoso para esconder seu propósito)
  • Incluir os stakeholders no processo de desenvolvimento de políticas antes do lançamento de uma campanha de advocacy ajuda a garantir que as vozes dos cidadãos representados estejam refletidas em seus objetivos gerais
  • Compartilhar uma campanha com apoiadores que optaram por receber comunicações de organizações ou associações participantes é um bom fundamento para construir uma rede maior
  • A publicidade on-line associada a campanhas de advocacy deve incluir marcadores claros que revelem o patrocinador do anúncio

A mensagem final

Sem regulamentação robusta para reprimir o lobby astroturf, a responsabilidade de descontinuar os esforços falsos grassroot recai sobre a comunidade de advocacy em geral.

Na era das “notícias falsas”, é particularmente imperativo que nossa profissão encarregada de influenciar o processo de formulação de políticas se abstenha de se envolver em táticas que subvertam a democracia.


Reproduzido e adaptado de Medium, porque não procede a informação da autora de que o lobby astroturf seja atividade legal nos EUA.

Saiba mais sobre isso em breve aqui no blog.

Leia também!

Como lidar com a indústria farmacêutica (I)

Como lidar com a indústria farmacêutica (II)

Como lidar com a indústria farmacêutica (III)

Como lidar com a indústria farmacêutica (IV)

Deixe um coment√°rio

error: Corta e cola, não!
Verified by MonsterInsights