Estudo da IQVIA aponta desafios do financiamento de terapias para doenças raras em países de baixa e média renda (LMICs)

Quais são os desafios do financiamento de terapias para doenças raras em países de baixa e média renda (LMICs)?

Um novo estudo da IQVIA examina o ambiente de acesso em dez desses países: Argentina, Colômbia, Gana, Líbano, Malásia, Marrocos, Peru, Romênia, África do Sul e Tailândia.

Apenas três destes 10 países (Romênia, Tailândia e Argentina) têm um nível médio de maturidade para doenças raras no setor público. O resto dos países demonstrou baixo reconhecimento das doenças raras e carece de financiamento e políticas para as mesmas. No setor privado, a cobertura de seguro de saúde para doenças raras é muito baixa ou praticamente inexistente em todos os países. No setor de desembolso direto (out of pocket), apenas 1% da população dos dez países poderia pagar por medicamentos inovadores e caros.

As lacunas no financiamento público de terapias para doenças raras são principalmente na alocação de recursos e na estratégia de gestão do governo:

• Os fundos estão ausentes ou insuficientemente alocados para doenças raras

• Falta de estratégia, governança e legislação para doenças raras

• Não há planos para garantir o fornecimento contínuo de fundos para doenças raras pelo governo

• O reembolso público para medicamentos inovadores de alto custo para doenças raras é incomum (Spinraza, um medicamento para atrofia muscular espinhal, foi usado no estudo como proxy para tratamentos de doenças raras de alto custo)

IQVIA-report

Os autores identificaram os seguintes desafios políticos principais:

• Falta de conscientização e compreensão das doenças raras por parte dos formuladores de políticas e da sociedade em geral

• Abordagem inconsistente e informações insuficientes que atrasam a entrada nos sistemas de saúde (por exemplo, diagnóstico incorreto)

• Lacunas na prestação de serviços como resultado da fragmentação dos serviços de saúde

Custo-efetividade geralmente ofuscando outros elementos em termos de métrica de decisão no processo de Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS)

• Fundos insuficientes são alocados e garantidos para o tratamento de doenças raras

• As opções de tratamento são limitadas devido ao subfinanciamento em Pesquisa & Desenvolvimento

• Os medicamentos órfãos têm baixo potencial de reembolso usando QALY (anos de vida ajustados pela qualidade)

Especialistas externos recomendaram várias áreas a serem priorizadas para um diálogo eficaz com governos e tomadores de decisão, incluindo:

• Desenvolvimento de evidências robustas sobre as atuais lacunas de financiamento de doenças raras que contribuam para aumentar a conscientização e a compreensão das necessidades nesse campo

• Captar as perspectivas dos pacientes e cuidadores

• Adoção de uma estrutura específica de ATS baseada em evidências e multidisciplinar para doenças raras que não se concentra na relação custo-efetividade

• Compromisso do pagador e do formulador de políticas com base em uma abordagem unificada da comunidade de doenças raras

• Alinhamento dos incentivos dos stakeholders para garantir a sustentabilidade e continuidade das soluções de financiamento


Neil Grubert é especialista em acesso ao mercado farmacêutico com 30 anos de experiência no rastreamento dos mercados globais de medicamentos. Ele é autor de mais de 150 relatórios sobre acesso ao mercado, cobrindo 20 mercados maduros e emergentes, várias áreas terapêuticas e vários problemas do setor. Atualmente trabalha como consultor independente. Você pode ler seus artigos regularmente neste blog.

Deixe um comentário

Visit Us
Tweet
error: Corta e cola, não!

REPUBLISHING TERMS

You may republish this article online or in print under our Creative Commons license. You may not edit or shorten the text, you must attribute the article to Academia de Pacientes and you must include the author’s name in your republication.

If you have any questions, please email ccordovil@gmail.com

Estudo da IQVIA aponta desafios do financiamento de terapias para doenças raras em países de baixa e média renda (LMICs)