Em uma lógica de “eficiência econômica”, quanto vale sua vida?

Passado na Alemanha nazista, Perdoai-nos as nossas ofensas (Netflix) é um curta-metragem estrelado por Knox Gibson que atua como uma pessoa com deficiência (PCD).

Sua sinopse informa:

“Quando Hitler decreta o Aktion T4, um programa mortal para matar qualquer PCD, o menino se vê fugindo para tentar salvar sua vida.

“Para onde quer que se volte, as pessoas parecem querê-lo morto, mas o rapaz sabe que vale mais do que esta vida que lhe foi dada, e terá de tomar uma decisão sobre o que vem a seguir.

“Essa história sombria é aquela que vai ficar com você muito tempo depois de terminar o filme.”

“Nenhum cálculo pode medir o valor da vida”

O filme é uma alegoria oportuna, de sinistra atualidade, especialmente quando se discutem limiares de custo-efetividade para o SUS. Que ao menos sejam justos. É o que se espera.

É de amplo conhecimento, entre círculos letrados, o fato de medidas convencionais empregadas para avaliar custo-efetividade de tratamentos discriminarem subpopulações já de todo prejudicadas: os injustiçados de sempre (pessoas com doenças raras, com deficiência, idosos e até mesmo doentes crônicos).

A  prova da moralidade de uma sociedade é o que ela faz por suas crianças


Dietrich Bonhoeffer

Deixe um comentário

Visit Us
Tweet
error: Corta e cola, não!

REPUBLISHING TERMS

You may republish this article online or in print under our Creative Commons license. You may not edit or shorten the text, you must attribute the article to Academia de Pacientes and you must include the author’s name in your republication.

If you have any questions, please email ccordovil@gmail.com

License

Creative Commons License AttributionCreative Commons Attribution
Em uma lógica de “eficiência econômica”, quanto vale sua vida?