Como anda o acesso a medicamentos inovadores na Europa ?

NEIL GRUBERT

A disponibilidade de medicamentos inovadores varia enormemente entre os cinco principais mercados europeus, de acordo com os dados do último EFPIA Patients WAIT Indicator Survey. O estudo verificou que mais de 90% dos novos medicamentos têm disponibilidade pública total na Alemanha, em comparação com menos da metade na Inglaterra e na Espanha.

A pesquisa abrangeu 160 medicamentos inovadores – incluindo 41 terapias contra o câncer e 57 medicamentos órfãos – que receberam autorizações de comercialização centralizadas da EMA de 2017 a 2020. A IQVIA, que compilou o relatório, definiu “disponibilidade” como a inclusão de medicamentos na lista de reembolso público de um país a partir de 1º de janeiro de 2022.

Além da disponibilidade total, o estudo mediu a disponibilidade “limitada”, definida da seguinte forma:

• Reembolso limitado a subpopulações específicas de indicação aprovada

• Reembolso limitado em uma base nacional de pacientes nomeados (paciente individual)

• Reembolso limitado pendente de uma decisão (onde o sistema permitir)

• Disponibilidade através de um programa especial (por exemplo, acordos de compartilhamento de risco)

Como mostra o gráfico abaixo, a Alemanha tem, de longe, os mais altos níveis de disponibilidade de todos os medicamentos inovadores, com 91% totalmente disponíveis e apenas 1% sujeitos à disponibilidade limitada. A Alemanha se sai ainda melhor com medicamentos órfãos (95% totalmente disponíveis) e medicamentos oncológicos (100% totalmente disponíveis). É o líder não apenas entre os cinco principais mercados, mas na Europa como um todo.

A Itália ocupa o segundo lugar entre os cinco grandes mercados, com 80% de disponibilidade para todos os medicamentos (69% totalmente disponíveis). Além disso, 90% dos medicamentos oncológicos estão disponíveis na Itália (78% totalmente disponíveis), mas apenas 75% dos medicamentos órfãos estão disponíveis (63% totalmente disponíveis).

A Inglaterra oferece disponibilidade para 67% de todos os medicamentos, embora apenas 41% tenham disponibilidade pública total – provavelmente um reflexo do uso generalizado de acordos de compartilhamento de risco e restrições a subpopulações específicas. Oitenta e cinco por cento dos medicamentos oncológicos estavam disponíveis na Inglaterra (46% totalmente disponíveis), mas apenas 62% dos medicamentos órfãos estavam disponíveis (44% totalmente disponíveis).

Na França, 66% de todos os medicamentos estavam disponíveis (56% totalmente disponíveis). Para terapias contra o câncer, a taxa de disponibilidade foi de 81% (66% totalmente disponível), enquanto 72% dos medicamentos órfãos estavam disponíveis (54% totalmente disponíveis).

A Espanha foi claramente o país de pior desempenho entre os cinco principais mercados europeus: apenas 55% de todos os medicamentos estavam disponíveis e apenas 31% estavam totalmente disponíveis. Além disso, 2% estavam disponíveis apenas de forma privada. Os medicamentos oncológicos se saíram um pouco melhor, com 61% disponíveis, embora apenas 37% estivessem totalmente disponíveis. O país teve um desempenho particularmente ruim no reembolso de medicamentos órfãos: 46% estavam disponíveis, mas apenas 23% estavam totalmente disponíveis.

A IQVIA observa que a disponibilidade não tem correlação com o uso/absorção de novos medicamentos, que também varia consideravelmente entre os mercados.

A pesquisa completa do EFPIA Patients WAIT Indicator 2021 pode ser baixada em bit.ly/38x5MGh.

Nota da Redação

Estudos recentes revelam que a taxa de recomendação para incorporação de tratamentos para doenças raras ao SUS pela CONITEC é de 52%.


Neil Grubert é especialista em acesso ao mercado farmacêutico com 30 anos de experiência no rastreamento dos mercados globais de medicamentos. Ele é autor de mais de 150 relatórios sobre acesso ao mercado, cobrindo 20 mercados maduros e emergentes, várias áreas terapêuticas e vários problemas do setor. Atualmente trabalha como consultor independente. Você pode ler seus artigos regularmente neste blog.

Deixe um comentário

Visit Us
Tweet
error: Corta e cola, não!

REPUBLISHING TERMS

You may republish this article online or in print under our Creative Commons license. You may not edit or shorten the text, you must attribute the article to Academia de Pacientes and you must include the author’s name in your republication.

If you have any questions, please email ccordovil@gmail.com

Como anda o acesso a medicamentos inovadores na Europa ?