“Políticas públicas não chegam em pacientes com doenças raras”, diz senadora

Mara Gabrilli participou do CB Fórum Live, nesta segunda, e comentou sobre a luta de pacientes com condições raras

Foto: CB Press

Durante participação no CB Fórum Live, realizado na sede do Correio Braziliense, na tarde desta segunda-feira (6/12), a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) comentou sobre a realidade dos brasileiros que possuem algum tipo de doença rara. Estima-se que 65 a cada 100 mil pessoas têm alguma doença rara, o que corresponde a pelo menos 13 milhões de brasileiros com alguma dessas enfermidades, segundo a Organização Mundial da Saúde.

A senadora defende que o problema vivido por pacientes que têm essa condição não é apenas a ausência de tratamentos e medicações. “A falta de informações tem sido um grande problema. Muitas vezes os próprios gestores dos ministérios desconhecem as doenças. Isso faz com que as políticas públicas não cheguem aos pacientes, e menos ainda, que elas sejam desenvolvidas”, argumenta.

Mara explica, ainda, que a falta de conhecimento ocorre também na própria comunidade médica, por falta de preparo ao longo da graduação. “Os médicos acabam se deparando com casos quando já estão atuando, e na maioria das vezes o diagnóstico acontece muito tardiamente”, explica. A senadora afirma que já cobrou do Conselho Nacional de Educação que esta mudança seja implantada. “Nós queremos tornar o raro familiar e isso só acontecerá quando os profissionais de saúde tiverem acesso desde cedo a essa realidade”, diz.

Outra preocupação exposta pela senadora é a respeito dos altos índices de judicialização da saúde, em decorrência da falta de acesso direto aos tratamentos pelo serviço público de saúde. A solução, segundo Mara, é a incorporação mais rápida, pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS, de tecnologias para a área da saúde. “Essa morosidade no processo faz com que as famílias encontrem na judicialização o único meio de acesso ao que elas necessitam. A judicialização passa a ser a política pública, e a gente sabe que esse é um caminho que exige uma cifra muito maior da União, e que atinge poucas pessoas”, defende.

O fórum foi transmitido ao vivo pelas redes sociais do Correio. O evento contou com a participação de Augusto Nardes, ministro do Tribunal de Contas da União; Germano Guimarães, cofundador e diretor presidente do Tellus; o deputado federal Luiz Antônio de Souza Teixeira Jr. (PP-RJ), Antoine Souheil Daher, presidente da Casa Hunter; Merched Cheheb de Oliveira, diretor do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS); Antonio Carlos da Silva, diretor de acesso à saúde da Roche Farma; João Bosco Oliveira Filho, coordenador do projeto Genomas Raros; e Stephanie Amaral, oficial de saúde da Unicef Brasil.


Reproduzido de Correio Brasiliense

Deixe um comentário

Visit Us
Tweet
error: Corta e cola, não!

REPUBLISHING TERMS

You may republish this article online or in print under our Creative Commons license. You may not edit or shorten the text, you must attribute the article to Academia de Pacientes and you must include the author’s name in your republication.

If you have any questions, please email ccordovil@gmail.com

License

Creative Commons License AttributionCreative Commons Attribution
“Políticas públicas não chegam em pacientes com doenças raras”, diz senadora