Impacto orçamentário e medicamentos (de alto custo)

Uma alegação constante do governo, ainda que jamais comprovada por pesquisas ou artigos científicos independentes, em solo nacional, é a de que o impacto orçamentário dos medicamentos órfãos nos sistemas de saúde é expressivo. Desta forma, por este raciocínio, e como dinheiro não estica, se sacrificaria o que poderia ser a assistência em saúde a cidadãos com doenças mais frequentes e que atingem maior número de pessoas no Brasil.

Nada mais distante da verdade. Nos Estados-membros da União Européia, onde os estudos de farmacoeconomia costumam ser mais sérios, os medicamentos órfãos continuam a representar uma fração extremamente pequena dos recursos comprometidos na assistência farmacêutica.

Um achado robusto na literatura centífica que se repete neste campo é a constatação de valores, em média, inferiores a 5% do gasto total destinado a medicamentos, nos países em que o acesso a drogas órfãs é o mais amplo possível.

Vejamos alguns estudos sérios sobre o tema:

  • Pesquisa datada de 2011 que tentou modelar o custo total de medicamentos órfãos na Europa entre 2010 e 2020, como uma parcela do gasto europeu total com medicamentos, verificou que, apesar de este se elevar de 3,3% em 2010 para 4,6% em 2016, a fatia do gasto total representada pelos medicamentos órfãos iria alcançar um platô e se estabilizar entre os 4% e os 5% até o ano de 2020.
  • Estudo comparativo de 2013 entre a Suécia e a França verificou que o impacto orçamentário dos medicamentos órfãos nestes dois países iria se estabilizar entre os 4% e 5% do gasto nacional com medicamentos em 2020, mantendo-se nesta faixa por um bom tempo, a despeito dos temores infundados dos pagadores.
  • Estudo assemelhado de 2014 conduzido na Holanda verificou que o “impacto orçamentário individual dos medicamentos órfãos é sempre limitado, embora existam exceções”, e que, ainda que firmemente em elevação, a proporção do gasto farmacêutico com medicamentos órfãos em 2012 alcançou somente os 4,2% do montante de recursos total gasto com fármacos.
  • Peguemos  então um país pobre da União Européia, para não parecer que estamos falseando os dados: a Letônia. Estudo publicado em 2016 mostrou que os gastos com medicamentos órfãos naquele país ainda representavam uma fração minúscula do mercado farmacêutico total no país (0,84%).

Ainda que estes dados não falem a favor de um gasto expressivo de governos com medicamentos órfãos, devemos entender as preocupações dos gestores nesse sentido como legítimas. Só haverá negociação possível , que favoreça os pacientes (e todos os envolvidos), quando os interesses de todos as partes envolvidas na discussão forem acatados e respeitados como legítimos.

Assim, o que deveria ser a nossa reivindicação ? Precisamos desenvolver uma abordagem do problema que melhor contemple o direito do paciente ao pleno acesso a medicamentos órfãos, mas que também ajude a restaurar a transparência e a confiança entre pagadores e indústria farmacêutica, pavimentando o caminho para o ‘preço justo’ e assegurando que o valor dos novos medicamentos seja otimizado para atender as verdadeiras aspirações da sociedade neste campo. Esta seria uma solução vencedora para todas as partes envolvidas.

Então, o que você como paciente está disposto a oferecer na mesa de negociações para que o governo possa lhe assegurar o medicamento necessário? Não dá pra fazer pouco caso dos interesses do governo ou de outros setores na negociação. Todos os interesses são legitimos! E é a partir desta constatação que avanços podem ser obtidos nas conquistas políticas !

Publicado originalmente em 30 de setembro de 2017

2 comentários em “Impacto orçamentário e medicamentos (de alto custo)”

  1. Achei ótima a sua colocação sobre o impacto percentual dos medicamentos órfãos no orçamento da saúde. Talvez no Brasil esse impacto seja maior do que nos países mencionados, mas também precisaríamos fazer a correlação entre os gastos totais com saúde e os gastos com doenças raras, cá e lá. O que ocorre é que as pessoas se impressionam com os preços unitários dos medicamentos e extrapolam essas impressões para o âmbito mais geral.

    Responder
    • Exatamente, Wilson! O impacto orçamentário global nos gastos com medicamentos de um sistema de saúde é pequeno. Mas nas reuniões da Conitec e assemelhadas tomam os preços unitários como parâmetro e, naturalmente, por essa lógica os preços sempre vão parecer astronômicos. O importante desse post é mostrar que o impacto global de tais medicamentos nos gastos totais com eles para os sistemas de saúde não é essa coisa toda.

      Responder

Deixe um comentário para Wilson Follador Cancelar resposta

Visit Us
Tweet
error: Corta e cola, não!

REPUBLISHING TERMS

You may republish this article online or in print under our Creative Commons license. You may not edit or shorten the text, you must attribute the article to Academia de Pacientes and you must include the author’s name in your republication.

If you have any questions, please email ccordovil@gmail.com

License

Creative Commons License AttributionCreative Commons Attribution
Impacto orçamentário e medicamentos (de alto custo)