A nova Abordagem para Doenças Raras do Reino Unido tem quatro prioridades

NEIL GRUBERT

A nova Abordagem para Doenças Raras do ³Reino Unido  define quatro prioridades para melhorar o atendimento dos  pacientes:

  1. · Ajudar os pacientes a obter um diagnóstico final mais rápido
  2. · Aumentar a conscientização sobre #doenças raras entre os profissionais de saúde
  3. · Melhor coordenação de cuidados
  4. · Melhorar o acesso a cuidados especializados, tratamentos e drogas
Ao final deste post você encontra o relatório UK Rare Diseases Framework para baixar (em inglês).

Na última dessas prioridades, o documento reconhece que “garantir o desenvolvimento contínuo e melhor acesso a conhecimentos especializados, tratamentos e medicamentos exigirá inovação e devemos aproveitar as oportunidades para realizar plenamente nosso potencial global e sinalizar nosso compromisso com a inovação e a colaboração. ”

O NHS [o SUS britânico] buscará “desempenhar um papel maior na disseminação e adoção de novos tratamentos inovadores baseados em evidências” por meio de iniciativas como o Early Access to Medicines Scheme, o Accelerated Access Collaborative e um Fundo de Medicamentos Inovadores expandido. Além disso, o NICE [a Conitec local] fará análises ambiciosas de sua avaliação de tecnologia e procedimentos de tecnologia altamente especializados.

Os profissionais de Ciências da Vida identificaram os principais desafios no campo das doenças raras da seguinte forma:

  • Avaliações de  tecnologia em saúde: 27%
  • Preços acessíveis para o NHS: 17%
  • Custo de Pesquisa & Desenvolvimento: 14%
  • Acesso a conjuntos de dados e registros  relevantes: 11%

Clique aqui para ampliar a imagem

Você pode, após clicar no link acima, dar zoom na imagem em seu celular, usando o polegar e o indicador.

UK-rare-diseases-framework
Gostou deste post Então comente aqui embaixo! Queremos tornar este debate mais vivo em nossa sociedade! Compartilhe esta notícia com seus amigos!

Neil Grubert é especialista em acesso ao mercado farmacêutico com 30 anos de experiência no rastreamento dos mercados globais de medicamentos. Ele é autor de mais de 150 relatórios sobre acesso ao mercado, cobrindo 20 mercados maduros e emergentes, várias áreas terapêuticas e vários problemas do setor. Atualmente trabalha como consultor independente. Você pode ler seus artigos toda segunda-feira, neste blog. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *