Doenças raras: um desafio crescente à sociedade

Urge oferecer diagnóstico precoce e possibilidade de tratamento e reabilitação

Magda Carneiro-Sampaio*

No último dia 16 de dezembro, a ONU fez um apelo histórico aos países-membros em favor das pessoas com doenças raras e suas famílias para que tenham acesso a bons serviços de saúde, proteção social e educação e possam alcançar seu pleno potencial de desenvolvimento e participação na sociedade. A ONU reafirmou os direitos inalienáveis de todo ser humano, dentro dos princípios da equidade, justiça social e eliminação de todas as formas de discriminação. O Brasil é um dos 54 signatários dessa resolução.

O conceito de doença rara (DR) está ligado à sua frequência na população. O Ministério da Saúde aceita como qualquer condição com frequência igual ou menor que 65/100 mil, ou seja, 1,3 pessoa afetada a cada 2 mil. Na Comunidade Europeia, adota-se um critério próximo e fácil de gravar de 1 a cada 2 mil pessoas. Grande parte das DRs (mais de 80%) é de origem genética e apresenta uma enorme diversidade de manifestações clínicas, tanto em sistema/órgão(s) afetado(s) como pela gravidade. Estima-se que existam mais de 8 mil DRs diferentes.

Temos como exemplos desde as hemofilias e os dismorfismos craniofaciais até o grande grupo dos erros inatos do metabolismo, muitos dos quais levam a alterações do desenvolvimento neuropsicomotor, passando pelo grupo crescente dos erros inatos da imunidade (também conhecido como imunodeficiências primárias), com grande susceptibilidade a infecções, área na qual trabalho há quatro décadas.

Cabe lembrar que a síndrome de Down é uma condição de origem genética (trissomia do cromossoma 21), mas não é uma DR, com uma frequência de cerca de 1 em cada 700 nascidos vivos.

Estudos franceses mostram que entre 5% e 6% da população apresenta alguma DR. Desta forma, estima-se que tenhamos no Brasil cerca de 12 milhões de pessoas afetadas por diferentes doenças raras! A própria ONU em sua divulgação da resolução estima que existam 300 milhões de pessoas com DRs em todo o mundo. Em outras palavras, cada doença isoladamente é rara, porém o conjunto das DRs é frequente, e o número de pessoas afetadas é alto, com grande impacto para os serviços de saúde. Assim, é preciso uma extensa mobilização social para se oferecer diagnóstico precoce e possibilidade de tratamento (nos casos em que há) e reabilitação.

Em 2014, o Ministério da Saúde lançou a portaria 199 regulamentando a assistência a pessoas com DRs, medida que vem sendo paulatinamente implementada. No estado de São Paulo, a questão começou a ser tratada em 2011 com uma articulação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP com a Secretaria de Estado da Saúde. Iniciou-se a concepção do projeto da Rede Dora (doenças raras), uma articulação entre as escolas médicas e o SUS com o objetivo de melhor atender os pacientes.

Se por um lado a pandemia retardou o desenvolvimento do programa, por outro trouxe grandes perspectivas na área da saúde digital, em particular para interconsultas entre médicos da linha de frente e especialistas, encurtando o tempo de diagnóstico e permitindo a adoção de terapêuticas eficazes.

A triagem neonatal (“teste do pezinho”) representa a primeira oportunidade de detecção de DRs, num momento em que há possibilidade real de tratamento eficaz de alguns defeitos e prevenção de sequelas de todos os detectados. No Brasil, todos os recém-nascidos são testados para cinco DRs (fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase) e para a doença falciforme (hemoglobinopatia). Hoje é possível ampliar, de forma escalonada pelo SUS, a detecção para 53 DRs, como já ocorre em algumas maternidades privadas.

Doenças raras são hoje um tema de interesse de todos!


Reproduzido da seção Tendências/Debates da Folha de S. Paulo, em 6/1/2022

*Professora titular do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da USP, é pesquisadora do CNPq e membro da Academia Brasileira de Pediatria

Deixe um comentário

Visit Us
Tweet
error: Corta e cola, não!

REPUBLISHING TERMS

You may republish this article online or in print under our Creative Commons license. You may not edit or shorten the text, you must attribute the article to Academia de Pacientes and you must include the author’s name in your republication.

If you have any questions, please email ccordovil@gmail.com

Doenças raras: um desafio crescente à sociedade