URGENTE: Doentes raros estão sendo discriminados em triagens de emergências!

Por favor, siga e curta!
Foto de cottonbro

 

 

A Eurordis-Rare Diseases Europe está “alarmada” com os informes de associações de pacientes que dão conta de que pessoas vivendo com doenças raras estariam sendo discriminadas em diretrizes para cuidados intensivos  projetadas para orientar médicos de emergência/UTI na priorização de pacientes no curso da pandemia de COVID-19.

A entidade recebeu denúncias bem documentadas de países como Alemanha, Holanda, Espanha, Reino Unido e Suíça. Mas o problema também se observa, segundo a entidade, em outros países, como  Bélgica, França e Itália. A Eurordis é uma coalizão de mais de 900 associações de pacientes dedicadas a doenças raras.

Desconhece-se a situação no Brasil com relação aos doentes raros e o atendimento que estão recebendo quando buscam socorro em emergências hospitalares por conta da pandemia.

Yann Le Cam, diretor executivo da entidade foi  enfático:

“Estamos tomando conhecimento de histórias chocantes de violações dos direitos das pessoas que vivem com uma doença rara e discriminação contra elas nas diretrizes de triagem. Isso é inaceitável”.

E prossegue o diretor da Eurordis: “A equidade de pacientes com doenças raras também implica que a igualdade possa não ser suficiente; Os pacientes com doenças raras são uma população altamente vulnerável, para a qual devem ser aplicadas medidas especiais adicionais para garantir sua segurança sanitária.

“Como é possível que diretrizes clínicas no ano de 2020 possam recomendar triagem com base no valor da pessoa para a sociedade ou excluir pessoas com deficiência intelectual?”, acrescentou.

“As pessoas que vivem com uma doença rara estão entre os grupos mais vulneráveis ​​da sociedade. Suas doenças são condições altamente complexas, geralmente crônicas e gravemente incapacitantes, que geram necessidades específicas de cuidados. Sua vulnerabilidade é exacerbada durante a crise atual”, observou Terkel Andersen, Presidente do Conselho da EURORDIS.

Andersen destaca que este problema é ainda mais grave no caso de pessoas afetadas por imunodeficiências raras ou que fazem uso de imunossupressores (incluindo cânceres raros e pacientes transplantados), por doenças pulmonares raras como fibrose cística ou telangiectasia pulmonar hereditária e doenças neuromusculares raras, como Distrofia Muscular de Duchenne e Atrofia Muscular Espinhal.

A Eurordis também divulgou um comunicado oficial onde relaciona uma série de medidas que autoridades e gestores em saúde devem tomar no manejo de doentes raros demandando assistência por eventual suspeita de COVID-19.

Preparamos para você um material especial sobre estas orientações. Ele foi criado para a realidade européia mas pode ser facilmente adaptado à realidade de qualquer país.

É DE SUMA IMPORTÃNCIA QUE VOCÊ E AS AUTORIDADES LEIAM ESTE MATERIAL!!!!
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA COM TODOS QUE CONHECER!

A EURORDIS-Rare Diseases Europe é uma aliança de mais de 900 doenças associações de pacientes de  72 países que trabalham juntos para melhorar a vida das 30 milhões de pessoas que vivem com uma doença rara na Europa.

1. Acesso aos cuidados em saúde (clique aqui)
O aumento do número de pacientes que procuram atendimento médico devido ao COVID-19 está esgotando a capacidade dos sistemas de saúde em termos de recursos humanos, equipamentos médicos (equipamentos de proteção individual e dispositivos, como equipamentos de ajuda respiratória) e leitos hospitalares. Isso está causando vários problemas para as pessoas que vivem com uma doença rara:
>>Os desafios que as pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando nesta área (clique aqui)
  • As pessoas que vivem com uma doença rara estão vendo seu acesso regular a aconselhamento médico restrito e sua continuidade de atendimento interrompida. Isso inclui a administração de tratamento de rotina que ocorre no ambiente clínico-hospitalar (por exemplo, transfusões de sangue).
  • Certas intervenções médicas e cirúrgicas classificadas como ‘eletivas’ ou ‘não essenciais’ estão sendo canceladas ou adiadas e, em alguns casos, outras unidades, como as de transplante, precisam fechar para deixar espaço para os pacientes infectados pelo COVID-19. Como as doenças raras podem ser altamente debilitantes e ameaçadoras à vida, aguardar uma intervenção médica pode resultar em uma deterioração grave dos sintomas, além de agregar tensões futuras nos sistemas de saúde devido a possíveis complicações.
  • As pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando problemas no exercício de seu direito a cuidados de saúde transfronteiriços, previstos na legislação relevante da UE devido a restrições de viagem ou porque hospitais no exterior estão cancelando intervenções não relacionadas ao COVID-19. O acesso a cuidados de saúde ou tratamento especializado em outro país da UE é especialmente importante para pessoas que vivem com uma doença rara, devido à experiência dispersa em doenças raras e devido ao fato de certos tratamentos estarem disponíveis apenas em alguns hospitais da UE.
  • A EURORDIS está extremamente preocupada com os relatórios que afirmam que, em alguns países, as orientações médicas emitidas para a pandemia de COVID-19 discriminam pessoas com deficiência e/ou que vivem com uma doença rara com base em conceitos como ‘valor da pessoa para a sociedade ‘ A EURORDIS elogia a dedicação de todos os profissionais de saúde que atualmente lutam com o COVID-19, tendo que tomar decisões com base em sua experiência e bússola moral. No entanto, observamos com preocupação o potencial impacto negativo que as diretrizes discriminatórias poderiam ter sobre doenças raras e outras populações vulneráveis.
  • Quando doentes com o COVID-19, as pessoas que vivem com uma doença rara podem enfrentar barreiras ao buscar receber cuidados de saúde no ambiente hospitalar, pois não existem protocolos estabelecidos para seus cuidados. Isso se deve, em parte, ao conhecimento limitado e à experiência dispersa em doenças raras.
  • As pessoas que vivem com uma doença rara podem ter medo de visitar hospitais devido ao risco de contrair COVID-19 ou porque podem não receber o nível adequado de atendimento devido à sua condição subjacente e, consequentemente, podem se colocar em maior risco por ficarem em casa.
  • As pessoas que vivem com uma doença rara não são suficientemente consideradas entre as populações-alvo vulneráveis para testes de diagnóstico para COVID-19 (PCR), da mesma forma que profissionais de saúde, idosos, pessoas com diabetes e pessoas com câncer.
  • Da mesma forma, as práticas de teste que deixam de fora as crianças por serem consideradas de baixo risco ou assintomáticas também podem ser problemáticas. Setenta por cento das doenças raras genéticas começam na infância, o que significa que há um grande número de crianças vivendo com uma doença rara que pode constituir uma população de alto risco em face do COVID-19.
>>O que as autoridades podem fazer (clique aqui)
  • Assegurar a continuidade dos cuidados e o acesso a consultas médicas para pessoas que vivem com uma doença rara, direcionando fundos e esforços para os sistemas de saúde para reforçar a força de trabalho e os equipamentos médicos. Isso também evitará a necessidade de recorrer à triagem.
  • Em particular, no caso de Substâncias de Origem Humana (SOH, como órgãos para transplante/sangue para transfusões), garantir sua livre circulação como bens/serviços essenciais e implementar medidas para mitigar os riscos impostos pelo COVID-19 a  um adequado e sustentado suprimento de SOH, de acordo com as diretrizes do ECDC.
  • Incentivar e facilita práticas como consultas virtuais (telemedicina) ou a administração de certas terapias no ambiente doméstico para garantir a continuidade do atendimento aos pacientes e evitar ir ao hospital. Essas medidas devem ser combinadas com o fornecimento adequado de equipamentos de proteção individual aos profissionais de saúde, de modo a garantir a segurança dos pacientes durante a visita.
  • Revisar quaisquer diretrizes para profissionais de saúde que possam colocar em questão os direitos das pessoas que vivem com uma doença rara. Ao produzir ou endossar diretrizes médicas, as autoridades devem levar em consideração seu compromisso com a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, especialmente os artigos 11 (sobre situações de risco e emergência humanitária) e 25 (sobre saúde).
  • Garantir a adoção de medidas/protocolos concretos justificados pelas necessidades complexas de pacientes com doenças raras na prestação de assistência médica de emergência durante a crise do COVID-19. Os recursos existentes da Orphanet devem ser promovidos e disponibilizados aos profissionais de saúde que tratam esses pacientes.
    • O médico da UTI de plantão deve entrar em contato com o profissional médico permanente do paciente e/ou o centro de referência para entender a história específica da doença e o plano de tratamento do paciente e fazer uso dos recursos das Redes de Referência Européias (por exemplo, a linha de apoio ERN-BOND COVID-19).
    • Reconhecer o papel dos/as cuidadores/as como especialistas na doença e nas necessidades específicas de cada paciente e permitir que eles frequentem o máximo possível a UTI.
    • Considerar a criação de enfermarias hospitalares especiais temporárias dedicadas a pacientes com doenças raras particularmente vulneráveis ​​e afetados pelo COVID-19 sempre que possível.
    • Onde houver enfermarias separadas entre os pacientes afetados pelo COVID-19 e outros, assegurar-se de que haja comunicação adequada sobre isso, para que os pacientes não evitem desnecessariamente o acesso aos cuidados.
    • Incentivar e facilitar o uso do Sistema de Gerenciamento de Pacientes Clínicos (CPMS) para agilizar o intercâmbio entre especialistas em redes europeias de referência de doenças raras para aqueles pacientes afetados pelo COVID19.
  • Incluir pessoas vivendo com uma doença rara, adultos e crianças, como população prioritária para medidas preventivas (testes, acesso a EPIs, etc.) para impedir a disseminação do COVID-19, durante o bloqueio e quando essas medidas forem suspensas. Especialmente durante o período de bloqueio, os prestadores de cuidados de pacientes com doenças raras mais vulneráveis ​​ao COVID-19 devem ser sistematicamente testados (ou testados mediante solicitação) com testes moleculares e sorológicos. Eles devem receber máscaras / equipamentos de proteção individual como prioridade quando as quantidades assim o permitirem,  além dos profissionais de saúde/assistência social prioritários.
2. Triagem e diagnóstico de doenças raras (clique aqui)
Técnicas de rastreamento, como imagens médicas e exames laboratoriais, podem levar ao diagnóstico de uma doença rara. Não realizá-las em tempo hábil pode ser prejudicial para a saúde daqueles que ainda não foram diagnosticados ou dos que são afetados por uma doença degenerativa, na medida que isso os coloca em risco de grave progressão da doença.
>> Os desafios que as pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando nesta área (clique aqui)
As consultas para obtenção de imagens médicas e para outros testes de triagem estão sendo adiadas ou canceladas devido à falta de pessoal médico ou à necessidade de usar as instalações do laboratório para o teste de amostras de COVID-19.
>> O que as autoridades podem fazer (clique aqui)
Assegurar que fundos e força de trabalho suficientes sejam alocados aos hospitais, para que seja garantido um serviço mínimo de triagem durante o período da crise para testar condições que podem afetar muito a expectativa de vida do paciente se não tratadas, como cânceres, imunodeficiências e doenças degenerativas . Os fundos da Iniciativa de Investimento em Resposta de Coronavírus da UE Plus (CRII +) podem ser alocados para tal.
3. Cuidados holísticos, incluindo serviços sociais e apoio social (clique aqui)
Os cuidados holísticos cobrem um  espectro de 360 graus das necessidades de saúde, sociais e cotidianas das pessoas que vivem com uma doença rara e suas famílias. A implementação de medidas de confinamento e quarentenas para evitar a disseminação do COVID-19 pode ter um sério impacto na prestação de cuidados holísticos para as pessoas que vivem com uma doença rara:
>>Os desafios que as pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando nesta área (clique aqui)
A prestação de serviços de cuidados essenciais para pessoas que vivem com uma doença rara, como suporte domiciliar ou assistência pessoal, está sendo interrompida devido à falta de pessoal e equipamento de proteção individual (EPI) disponíveis para os prestadores de serviços e para o paciente. Como conseqüência, pessoas com doenças raras e incapacidades, que precisam de apoio intensivo para viver de forma independente, enfrentam longas horas de espera para que sua higiene pessoal e básica seja atendida.
  • Vários centros de recursos que oferecem terapia de reabilitação, fisioterapia, tratamento de repouso e creche estão tendo que fechar completamente ou reduzir sua oferta de serviços. Eles não têm os equipamentos de proteção individual (EPI) necessários ou pessoal suficiente para provê-las no ambiente doméstico. A sustentabilidade desses centros de recursos essenciais está sendo afetada pelas medidas impostas devido ao COVID-19.
  • As medidas de confinamento podem ter um forte impacto psicológico nas pessoas que vivem com uma doença rara devido ao isolamento. Sob circunstâncias normais, ser afetado por uma doença rara afeta a saúde mental (em uma pesquisa de 2017 37% dos entrevistados declararam que costumam se sentir infelizes e deprimidos, em comparação com 11% da população em geral), e a crise pode agravar esse impacto.
  • Além disso, o confinamento é muito problemático no caso de doenças e deficiências para as quais a atividade ao ar livre faz parte da rotina terapêutica, particularmente no caso de deficiência intelectual. Isso pode causar grande sofrimento para a pessoa afetada pela doença e para seus cuidadores.
>> O que as autoridades podem fazer (clique aqui)
  • Garantir um serviço mínimo de apoio e serviço de assistência pessoal a populações vulneráveis, incluindo pessoas vivendo com uma doença rara, da mesma maneira que serviços mínimos de assistência à infância estão sendo mantidos em vários Estados-Membros.
  • Tomar medidas para promover a priorização de equipamentos de proteção individual (EPI) para profissionais que trabalham em serviços sociais.
  • Desenvolver diretrizes claras para os provedores de assistência social empregarem durante a crise.
  • Garantir o financiamento de serviços sociais em toda a Europa, incluindo serviços de vida independentes e centros de recursos para doenças raras, como uma questão urgente. Esses serviços permanecerão essenciais quando a crise for enfrentada e sua sustentabilidade deve ser garantida.
  • Assegurar que as autoridades nacionais e regionais possam  utilizar os recursos disponibilizados pela Iniciativa Europeia de Investimento em Resposta ao Coronavírus (CRII +) para financiar prestadores de assistência social e de apoio a pessoas com deficiência, a fim de garantir a continuidade da assistência e apoio neste período de crise;
  • Apoiar serviços telefônicos nacionais existentes de orientação para doenças raras doenças raras, tanto financeiramente quanto com diretrizes/informações atualizadas mais precisas, para que possam orientar e informar as pessoas que vivem com uma doença rara durante a crise.
  • Engajar e apoiar associações de pacientes ligadas às suas comunidades que possam apoiar os serviços de saúde, garantindo fluxos de informações e boa comunicação, ajuda mútua e desenvolvimento de soluções criativas.
  • Adaptar regras para pessoas que vivem com condições que afetam as funções comportamentais agravadas por medidas de confinamento, por exemplo, fornecendo dispensa especial que lhes permita ir praticar atividades ao ar livre com um cuidador durante períodos de bloqueio, desde que sejam seguidas as medidas de higiene e segurança.
  • Assegurar que as pessoas que vivem com uma doença rara não estejam confinadas a instituições residenciais e unidades e instituições psiquiátricas, devido à falta de serviços de vida independente. Se o forem por um período de tempo limitado, assegurar-se de que essas instituições sigam as diretrizes de segurança e estejam bem equipadas com equipamentos de proteção individual (EPIs) da mesma maneira que isto está sendo providenciado para instituições para idosos, bem como facilitando o contato com membros da família quando as visitas precisarem ser descontinuadas por razões de segurança.
4. Vida cotidiana e condições de trabalho (clique aqui)
As pessoas que vivem com uma doença rara frequentemente enfrentam dificuldades para conciliar a vida profissional e a busca do atendimento. Além disso, elas freqüentemente experimentam falta de compreensão por parte dos empregadores ou da escola, o que leva a uma falta de adaptação a esses ambientes. Essas questões são agravadas  em tempos difíceis, como a crise da COVID-19
>>Os desafios que as pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando nesta área (clique aqui)
  • O fechamento de instalações e escolas especializadas em cuidados infantis faz com que as famílias de pessoas que vivem com uma doença rara não possam trabalhar e sejam obrigadas a assumir responsabilidades em tempo integral no cuidado de seus filhos ou parentes adultos.
  • O fato de as pessoas que vivem com uma doença rara não serem classificadas sistematicamente como ‘população em risco’ para a COVID-19, faz com que  empregadores não necessariamente ofereçam necessariamente condições especiais para elas, como arranjos de trabalho flexíveis ou trabalho remoto. Isso também se aplica aos cuidadores/as que, em conseqüência, colocam em risco as pessoas afetadas pela doença rara ou são obrigadas a se ausentar do trabalho.
  • A falta de adaptação das práticas de trabalho, bem como a falta de equipamento de proteção individual, também afeta as pessoas que vivem com uma doença rara que trabalham em serviços essenciais e precisam comparecer ao local de trabalho, sob risco de infecção.
  • As pessoas que vivem com uma doença rara são particularmente vulneráveis ​​a consequências econômicas negativas (demissões e redução de renda) decorrentes do impacto da crise no mercado de trabalho. A precarização já é uma realidade em circunstâncias normais para muitas famílias, com 73% dos entrevistados de uma pesquisa de 2017 revelando que o custo relacionado ao manejo da doença foi considerado alto.
>> O que as autoridades podem fazer (clique aqui)
  • Estabelecer medidas para a proteção de todos os trabalhadores, com prioridade especial para aqueles em situações vulneráveis, como pessoas vivendo com uma doença rara. O Pilar Europeu dos Direitos Sociais deve ser plenamente implementado, a fim de combater a pobreza e a exclusão social.
  • Assegurar que as pessoas que vivem com uma doença rara possam trabalhar em casa e, se isso não for possível devido à natureza do trabalho ou por qualquer outro motivo, garantir uma licença especial que garanta 100% da renda do funcionário.
  • Garantir uma compensação financeira também para famílias e cuidadores/as que precisam se ausentar do trabalho para cuidar de seus entes queridos.
  • Apoiar escolas, outras instalações educacionais e centros de recursos que estão tomando medidas para garantir a educação continuada em casa para os alunos que vivem com uma doença rara e estão fornecendo orientações sobre cuidados aos membros da família, ajudando-os a conciliar seu trabalho com as obrigações domésticas.
5. Uso seguro de medicamentos (clique aqui)
Atualmente, vários medicamentos com indicações para outras doenças (como lúpus e artrite reumatóide) estão sendo testados para verificar sua eficácia contra a COVID-19. No entanto, a ingestão desses medicamentos em combinação com outros ou fora da indicação da prescrição pode colocar em risco a vida do paciente.
>>Os desafios que as pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando nesta área (clique aqui)
  • As pessoas que vivem com uma doença rara também afetadas pela COVID-19 podem ser hospitalizadas em centros que não são seu centro especializado habitual e onde não há vínculo com seu médico permanente. Nesses casos, a administração de medicamentos para tratar COVID-19 (antiinflamatórios, anestésicos, curare, analgésicos etc.) é mais desafiadora do que para a população em geral. Pode haver interações medicamentosas graves entre o tratamento de pessoas que vivem com uma doença rara e o fornecido para tratar a COVID-19.
  • As pessoas que vivem com uma doença rara temem que contrair COVID-19 possa piorar a sua doença rara. Portanto, elas podem se sentir tentadas a se automedicar para evitar o vírus, principalmente se não tiverem acesso aos cuidados de saúde e conselhos de que precisam. Eles também podem se arriscar a usar medicamentos falsificados comprados on-line.
  • Alguns dos tratamentos essenciais para o bem-estar de certas pessoas que vivem com uma doença rara (por exemplo, imunossupressores) podem torná-las mais vulneráveis ​​a infecções. As pessoas que vivem com medo de contrair COVID-19 podem, portanto, hesitar em continuar seu tratamento usual para uma doença rara sem orientação adequada.
>> O que as autoridades podem fazer (clique aqui)
  • Certificar-se de que as autoridades nacionais de saúde estejam monitorando e implementando as medidas, diretrizes e/ou protocolos corretos durante a pandemia da COVID-19, a fim de garantir a distribuição, entrega e uso seguro de medicamentos. Por exemplo, a entrega de medicamentos que geralmente são dispensados ​​em hospitais para as farmácias comunitárias locais, correios ou remessas para onde o paciente mora, desde que o paciente e/ou um prestador de cuidados possam administrar o tratamento.
  • Garantir que os sistemas de farmacovigilância tenham recursos adequados e que as informações disponíveis sobre riscos de reações adversas, interações medicamentosas e uso apropriado ao tratamento crônico existente sejam comunicadas de maneira clara aos pacientes.

6. Desenvolvimento e acesso a medicamentos (clique aqui)
A fabricação e o acesso a medicamentos estão sendo afetados durante a crise do COVID-19. Por um lado, há uma demanda mundial crescente por todos os medicamentos usados ​​para tratar a COVID-19 e há várias limitações que dificultam o atendimento dessa demanda. Por outro lado, também há uma corrida para o desenvolvimento de tratamentos novos ou reaproveitados e uma vacina para a COVID-19. Todos esses elementos podem ter um impacto na vida das pessoas que vivem com uma doença rara.
>>Os desafios que as pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando nesta área (clique aqui)
  • As pessoas que vivem com uma doença rara podem ter dificuldades em ter acesso a seus medicamentos, pois vários países enfrentam dificuldades de suprimento. A fabricação de produtos pode ser afetada porque as medidas para aumentar a produção podem levar de seis meses a um ano para produzir efeito. Além disso, as matérias-primas podem ser produzidas em um país diferente daquele onde a fabricação ocorre e as medidas atuais de confinamento e controle de fronteiras dificultarem o transporte. Por último, o transporte e a distribuição do local de fabricação para as farmácias atacadistas e distribuidoras também podem ser afetados.
  • O redirecionamento de medicamentos indicados para outras áreas terapêuticas no manejo da COVID-19 está comprometendo os recursos disponíveis para sua dispensação habitual (por exemplo, produtos ausentes nas farmácias e atacadistas da comunidade). Alguns desses produtos, como hidroxicloroquina e azitromicina, são amplamente utilizados na comunidade de doenças raras.
  • A EURORDIS manifestou preocupação com o possível abuso dos regulamentos sobre medicamentos órfãos para o rápido desenvolvimento de tratamentos com a COVID-19. A concessão da designação de medicamento órfão para esses tratamentos é prejudicial aos esforços para colocar no mercado medicamentos órfãos genuínos e terá um impacto negativo no acesso de pacientes com doenças raras a outros medicamentos tão necessários.
>>O que as autoridades podem fazer (clique aqui)
  • Implementar medidas para garantir a fabricação e distribuição de medicamentos e evitar problemas de suprimento. As autoridades devem seguir as orientações práticas emitidas pela Comissão da UE sobre passe livre para o fluxo contínuo de mercadorias em toda a UE e fazer uso das ferramentas e medidas coordenadas pela Agência Europeia de Medicamentos para apoiar a disponibilidade de medicamentos usados ​​na pandemia da COVID-19.
  • Garantir o uso de outros canais além dos regulamentos sobre medicamentos órfãos para acelerar a disponibilidade de tratamentos para o COVID-19 e facilitar a colaboração global em pesquisas, pois o agrupamento de conhecimentos e recursos é a melhor maneira de acelerar o desenvolvimento desses medicamentos. As autoridades devem consultar as recomendações e ferramentas emitidas pela Agência Europeia de Medicamentos que apontam nessa direção.
  • Para gerenciar as dificuldades de fabricação, fornecer suporte aos farmacêuticos hospitalares para a composição de produtos que possam ser preparados nas farmácias hospitalares sob exigências de alta qualidade, dependendo da natureza do produto. Da mesma forma, as farmácias militares podem ajudar a aumentar a oferta.
  • Garantir acesso justo e equânime a produtos sob investigação e/ou autorizados para tratar a COVID-19 e garantir acesso justo a programas de uso compassivo. As medidas devem incluir:
    • Tornar públicas e transparentes as informações sobre os ensaios clínicos e os programas de uso compassivo, incluindo elementos como os centros participantes, as condições de acesso, o número de pacientes inscritos e os resultados intermediários.
    • Iniciar pesquisas específicas e relevantes sobre os benefícios / riscos dos tratamentos para a COVID-19 necessários no contexto de algumas doenças raras o mais cedo possível.
    • Estabelecimento de um mecanismo europeu para coordenar o acesso e garantir uma distribuição justa entre os Estados-Membros, se o fornecimento for limitado.
    • Os Estados-Membros devem solicitar um parecer à Agência Europeia de Medicamentos para que os critérios e condições do programa Uso Compassivo sejam comuns nos Estados-Membros da UE (por exemplo, consulte as recomendações da EMA sobre Uso Compassivo para Remdesivir).
    • Suprimentos para programas de uso compassivo deve ser disponibilizado gratuitamente aos pacientes, diante do reconhecimento da emergência pública representada por esta pandemia.
    • Incentivar os desenvolvedores destas terapias a compartilhar a licença de medicamentos que demonstrem uma relação risco/benefício positiva com países de baixa e média renda por meio da Iniciativa Voluntária de Conjunto de Patentes (UNITAID), como feito para o HIV, malária e tuberculose
7. Pesquisa sobre doenças raras (clique aqui)
A maioria das doenças raras carece de tratamentos eficazes e existe uma grande necessidade de continuar promovendo a pesquisa e a inovação para doenças raras. A pandemia da COVID-19 representa uma ameaça para a continuidade de testes clínicos vitais.
>>Os desafios que as pessoas que vivem com uma doença rara estão enfrentando nesta área (clique aqui)
  • Os ensaios clínicos estão sendo cancelados por conta da preocupação com a segurança dos pacientes que não podem ou não desejam viajar para os locais dos testes clínicos ou porque os profissionais de saúde são transferidos para outras tarefas. No entanto, para algumas doenças raras, o cancelamento de um teste clínico é mais prejudicial do que ser exposto ao vírus em termos de expectativa de vida.
  • No caso de testes clínicos que já estavam em estágio avançado, os desenvolvedores de terapias podem estar lutando para implementar medidas para proteger os pacientes já inscritos e para preservar o máximo possível as informações coletadas até o momento.
  • A crise pode exigir o uso de testes descentralizados ou híbridos usando ferramentas ou aplicativos digitais, mas essa prática não é amplamente utilizada. Para ensaios clínicos já planejados ou em andamento, a introdução desses tipos de desenhos exige alterações significativas nos protocolos dos testes clínicos e uma revisão de desfechos (endpoints) a serem usados ​​para concluir o estudo.
>>O que as autoridades podem fazer (clique aqui)
  • Garantir a disseminação e acompanhamento das orientações emitidas pela EMA aos desenvolvedores sobre gerenciamento de testes clínicos durante a pandemia, especialmente no campo das doenças raras. Isto é crucial para que os esforços que os pacientes colocam na pesquisa clínica (seja como consultores para desenvolvedores clínicos ao fornecer informações para o desenho de um estudo ou como participantes do estudo) não sejam perdidos.
  • Incentivar os desenvolvedores a procurar aconselhamento dos reguladores sobre quando parar, reagendar e/ou adaptar seus desenhos de testes clínicos (incluindo conselhos sobre a viabilidade e os recursos necessários para realizar ensaios clínicos remotamente com o uso de ferramentas inovadoras/descentralizadas/digitais) e garantir também que reguladores estejam prontos para fornecer esse tipo de orientação.

A EURORDIS, como membro de ambas as organizações, apoia as comunicações sobre COVID-19 divulgadas pelo Fórum Europeu de Pacientes (EPF) e pelo Fórum Europeu de Deficiência (FED), e visa, com esta carta aberta, destacar os desafios e necessidades específicos dos comunidade

Traduzido por Cláudio Cordovil Oliveira

Fontes:

Rare disease community raises alert over discrimination in critical care guidelines during COVID-19 pandemic

EURORDIS open letter to policy makers: Recommendations to protect people living with a rare disease during the COVID-19 pandemic

2 comentários em “URGENTE: Doentes raros estão sendo discriminados em triagens de emergências!”

    1. Obrigado Denise, é nossa preocupação zelar pelos direitos humanos dos doentes raros quando só se fala nos cuidados que se tem que ter para evitar contrair a doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *